BIOGRAFIA

O encenador, performer e professor independente JdR – João de Ricardo vem, desde 2004, frente a Cia. Espaço em BRANCO,  trabalhando na criação de espetáculos autorais que ampliam-se ao contato com as linguagens do vídeo, performance, dança, música e poesia, produzindo obras com dramaturgia e trilhas sonoras originais que conjugam arte e tecnologia. O Cia. desenvolve a performance artística enquanto método de trabalho e pensamento estético e a pedagogia como forma de expandir as zonas de contato e interferência ativa junto à comunidade. A oficina de criação de performances teatrais Processos Híbridos de Criação, articulada pelo encenador, já foi realizada em importantes instituições culturais tais como o Porto Alegre em Cena, a Bienal do Mercosul e as Oficinas Culturais do Estado de São Paulo.

Desde 2015 a Cia. Espaço em BRANCO participa, como residente do projeto Usina das Artes, promovido pela Secretaria de Cultura da Prefeitura de Porto Alegre. Através das possibilidade de um trabalho a logo prazo em regime de atelier foi criado o CÉREBRO – Sede da Cia. Espaço em BRANCO na sala 504 da Usina do Gasômetro. Nele  foram criados 4 performances teatrais dirigidas por JdR através de PHC: – Rodrigofagia (em colaboração com Lisandro Bellotto)  – Love me BOY KILL me MACHINE, Prata-Paraíso e A Metamorfose – Infestação).

Os espetáculos investem na autonomia criativa dos artistas, na fisicalidade das atuações e na potência das imagens em cena, provocando o espectador enquanto um agente ativo e criador. O caráter pedagógico da arte teatral é desenvolvido enquanto processo de criação constante. A performance explode os limites entre as linguagens deixando emergir o movimento dos corpos.

Seu primeiro espetáculo, EXTINÇÃO – A Impossibilidade Física da Morte na Mente de Alguém Vivo recebeu reconhecimento de público e crítica, sendo agraciado com o Troféu Açorianos, da cidade de Porto Alegre – RS, de melhor atriz coadjuvante para Sissi Venturin. Foi citado pela imprensa como um dos espetáculos mais instigantes de 2004: “Extinção ventilou a cena teatral porto-alegrense, sempre tão voltada às produções comerciais” (Luiz Paulo Vasconcellos – Revista Aplauso), “Um grupo moderno e provocador” (Renato Mendonça – Zero Hora).

Em 2006, a Companhia foi premiada com o Edital de Ocupação do Teatro de Arena de Porto Alegre, concedido pela Secretaria Estadual de Cultura com objetivo de viabilizar a montagem de espetáculos inéditos. O grupo ocupou o Teatro de Arena por quase um ano, promovendo atividades diversas como shows musicais, encontros de discussão estética, e pode criar o espetáculo ANDY/EDIE, texto inédito do dramaturgo Diones Camargo e premiado no Concurso Nacional de Dramaturgia FUNARTE 2005, uma reflexão sobre POP ART e seus reflexos na cultura contemporânea.

Em 2008 venceu o Prêmio Palco Habitasul de Montagem Cênica, estreando em dezembro no Theatro São Pedro de Porto Alegre seu terceiro espetáculo, TERESA E O AQUÁRIO. A peça é o primeiro processo do grupo na investigação da performance arte. Cumpriu temporadas de sucesso em 2009 e 2010, esteve na programação dos Festivais “Porto Alegre em Cena”, “Caxias em Cena”, e “Janeiro de Grandes Espetáculos”, em Recife. EM TRÂNSITO é um monólogo sobre um sujeito preso num congestionamento, estreado em 2009, é produção autoral e independente com texto de João de Ricardo e primeira direção de Sissi Venturin.

No final de 2009 a Cia. estreou outras duas produções: ROLETA RUSSA/MAÇÃ DO AMOR, criação performativa de Lisandro Bellotto, e ALICE, performance de Sissi Venturin livremente inspirada na obra de Lewis Carroll. Ainda foi premiada com o Prêmio FUNARTE Myriam Muniz criando então a performance  solo de JdR – João de Ricardo HOMEM QUE NÃO VIVE DA GLÓRIA DO PASSADO criada em parceria com o cineasta Bruno Gularte Barreto, que estreou em março de 2010.

Ainda em 2010 iniciou o processo de criação da ANATOMIA DA BONECA, espetáculo autoral de Andressa Cantergiani e JdR – João de Ricardo sobre o universo pop feminino financiado pelo FINANCIARTE de Caxias do SUL – RS.

Em 2013 estreou seu primeiro espetáculo de dança contemporânea POLARÓIDES MADE IN DANÇA, dirigido por Lisandro Bellotto. O projeto teve o financiamento do FUMPROARTE, de Porto Alegre – RS.

Em 2014 a Cia. comemorou dez anos de atividades lançando um bem sucedido projeto de financiamento coletivo no site CATARSE visando melhorias materiais em seus espetáculos de repertório que voltaram em cartaz.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s